Envolvimento emocional com pacientes terminais pode ser … – Jornal do Brasil – internet pink blog

O cotidiano de quem lida com pacientes terminais mostra que um certo envolvimento emocional dos profissionais é fundamental para um fim de vida tranquilo. E não é só para o paciente que esse envolvimento faz bem.  

Anelise Pulschen, médica coordenadora da Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital de Apoio do Distrito Federal, conta que na sua unidade de trabalho há envolvimento com todos os pacientes. “Cada profissional do seu jeitinho. Podemos chorar com eles, rir com eles, comemorar, vibrar, ficar junto com a família. A gente fica muito junto da família, às vezes até mais do que com o próprio paciente”.

Ela recorda que certa vez houve uma “força-tarefa” dos profissionais da unidade para encontrar a família de uma paciente branca, de pouco mais de 30 anos, que havia uns anos tinha fugido de casa porque sua família não aceitou seu relacionamento com um rapaz negro. “Ele a colocou em cima de um cavalo e os dois fugiram juntos. Tempos depois, já com dois filhos, ela estava internada aqui, muito debilitada por um câncer que começou na mama, atingiu os ossos, sem conseguir andar, e triste por não mais ter visto sua família e não ter tido um casamento com tudo que a noiva tem direito”.

Anelise relembra: “Toda a equipe se envolveu muito com a organização do casamento dessa paciente, que teve direito a vestido de noiva, capela, padre, juíza, damas de honra e toda a família da noiva unida”. Como os profissionais já suspeitavam, pouco mais de uma semana depois do casamento, a paciente morreu.

Histórias como essa, de casamentos, aniversários, passeios, perdões e redenções são vividas diariamente pelos profissionais de cuidados paliativos, que têm a missão de trazer alento para os últimos dias dos seus pacientes. O enfermeiro Renato Rodrigues, da Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital de Apoio do Distrito Federal, conta que esse envolvimento não significa um peso levado para casa.

”Existem aqueles pacientes que nos cativam. A gente leva ‘pra’ casa, mas não como um peso ou uma preocupação dolorosa. Você leva pra casa como a lembrança de uma pessoa que você quer bem e naquele momento está passando por dificuldades. Muitas vezes eu tenho insights em casa, às vezes à noite lembro do fulano e tenho alguma solução pra resolver determinada situação que, antes, eu não soube resolver”, conta Renato.

De fato é o que se pode ver na Unidade de Cuidados Paliativos do Distrito Federal. Na entrada do corredor que dá acesso aos quartos está exposto um mural com fotos de pacientes que tiveram seus últimos dias em paz e felizes. Lá não existem dietas ou restrições quanto a visitas, e as vontades dos pacientes são ouvidas e, sempre que possível, atendidas. 

via tecnologia – Google Notícias http://news.google.com/news/url?sa=t&fd=R&usg=AFQjCNFtkyiKbuXe3UNrT_EhIxyM671HPA&url=http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2012/09/23/envolvimento-emocional-com-pacientes-terminais-pode-ser-enriquecedor/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em internetpinkblog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s